Tropical soil microbiology and biodiversity: a tool for sustainable intensification of agriculture in Mozambique

Soil microorganisms are able to establish beneficial relationships with plants, helping plants in nutrients uptake like N and P, defence against plants foes and other important benefits, in return soil microorganisms receive organic compounds from plants. At present, it’s known that plants can determine the composition of the root micro- biome by active secretion of compounds that specifically stimulate or repress members of the microbial community (Doornbos et al., 2012). Occurrence of different associative microorganisms in rice (Oryza sativa L) fields has been reported by various studies from many countries. Nowadays, it’s known that limitations in water resources and arable land have caused the rice farming areas of rice-producing countries to exhibit a declining trend, so, increases in rice yield mainly rely on only the increase in per unit area yield (Xue et al., 2015).

Biofertilizers are a new type of fertilizer, containing microorganisms which help to provide more nutrients to plants, they are very known in soybean, they do not pollute the environment and they are normally cheaper than the chemical fertilizers. Therefore, the use of biofertilizers for growing rice may allow to reduce the rice production costs, improve the yields and minimize the environmental impacts. In Mozambique, we lack information about the relationships between rice and its growth promoting microorganisms present in the soil and most farmers use chemical fertilizers for supplying nutrients to the soil. The objectives of our study are as follows: (i) to evaluate how the bacteria, archaea and fungi diversity changes in rice growing fields and virgin fields; (ii) understand how critical biogeochemical cycles may respond to current and impending environmental changes; (ii) to allow us to identify factors that determine microbial community structure and activity in space and time in rice growing and virgin fields.

SAMPLE COLLECTION IN CHOKWE AND RESEARCH STAY AT ARC-SOUTH AFRICA

The samples for this study were collected in three locations: Umbeluzi´s Experimental Station in Maputo, Chokwe´s Experimental Station in Gaza both belonging to the Mozambique´s Agronomic Research Institute and in Sanga-Faculty of Agronomic Sciences, Lúrio University.

For biochemical analysis, samples were collected in the virgin and rice growing fields and the analyses were performed at the laboratory of Plant and Soil- School of Agriculture of the University of Lisbon (ISA-ULisboa) – Portugal. The following soil analyses were performed: pH-H2O, electric conductivity, organic carbon, soil dry matter, available P and K, total concentrations of Ca, Mg, Na, K, Cu, Fe, Zn and P, total N and NH4+.

SANGA FIELD TRIALS

Through this project, I had already two internships in Pretoria – South Africa at the Agricultural Research Council- (Laboratory of Microbiology), where I learned about molecular biology techniques, such as: DNA (deoxyribonucleic acid) extraction from soil samples, electrophoresis using agarose gel, DNA quantification, PCR (Polymerase Chain Reaction), soil culture dependent and independent methods and more things about microbiology, this was undoubtedly a marvelous learning and experience. It’s a certainly a pleasure to be part of this project.

 

Belo Muetanene (FCA-UniLúrio, Mozambique)

 

Project partners

  • School of Agriculture of the University of Lisbon (ISA-ULisboa) – Portugal
  • IRRI-International Rice Research Institute – Mozambique
  • Agricultural Research Council (ARC) – Institute for Soil, Climate and Water-South Africa
  • Lúrio University, Faculty of Agronomic Sciences – Mozambique
Anúncios

Identificação de vias de Intensificação Sustentável para os sistemas de cultivo de milho-leguminosas: Estudo de caso de Moçambique e Tanzânia

pia_logo_rgb_small_webA agricultura global enfrenta enormes desafios no século XXI: as mudanças climáticas, a deplecção de nutrientes, as novas doenças e a insegurança alimentar estão entre as questões prementes que a agricultura deve abordar e enfrentar. Em África, o aumento da produtividade agrícola, para satisfazer a crescente procura de alimentos, requer uma série de intervenções, entre as quais a intensificação da produção agrícola. Nos últimos anos, o foco mudou para uma intensificação amiga do ambiente, de que é exemplo a agricultura tendo em conta as alterações climáticas e a intensificação sustentável.
proia_picA intensificação sustentável (IS) refere-se a um amplo espectro de sistemas agrícolas, que resultam num aumento do rendimento sem efeitos ambientais negativos e/ou sem o aumento de terra dedicada à agricultura. Esses sistemas incluem sistemas de produção intercalados de milho e leguminosas, que são o foco do caso de estudo aqui apresentado. O objectivo geral do estudo é identificar os principais factores condutores e pontos de entrada para a IS e o potencial de inovação ao longo de ambientes agrícolas contrastantes e várias tipologias de explorações agrícolas. O actual estudo concentra-se na Tanzânia e Moçambique, e faz parte de um projecto, financiado pelo Centro Australiano para a Investigação Agrícola Internacional (ACIAR, do inglês): Intensificação Sustentável dos Sistemas de Cultivo Leguminosas e Milho na África Oriental e Austral (SIMLESA, do inglês).

Os sistemas de milho-leguminosas são comuns em ambos os países e constituem os sistemas mais importantes em termos de número de explorações e parcela de terra dedicada. Em Moçambique, por exemplo, é utilizada uma vasta gama de leguminosas, onde se destacam, o amendoim, o feijão-frade e o feijão comum, principalmente devido ao seu potencial de comercialização. O feijão-boer ganhou alguma atenção nos últimos anos no centro e no norte de Moçambique. Em contraste, na Tanzânia, um mercado bem estabelecido de feijão-boer fez desta leguminosa uma referência em várias agroecologias, onde actualmente é cultivada e amplamente estudada.

O estudo utilizou uma metodologia mista que incluiu, principalmente, uma revisão da literatura, juntamente com um workshop de consulta com os principais actores da IS, realizado em Maputo.

2016-04-26-09-54-33O workshop de consulta reuniu representantes de agricultores, investigadores, universidades e autoridades agrícolas locais e revelou que existe um entendimento comum sobre a necessidade de intensificação agrícola. No entanto, isso nem sempre se traduz em intensificação sustentável. Há uma necessidade de desconstruir o que significa sustentabilidade e estudar como o conceito poderá ser adaptado para se adequar a cada tipologia de acordo com as percepções dos diferentes actores, incluindo diferentes tipologias de agricultores. Foi acordado que a viabilidade da IS deve ter em conta a diversidade agro-ecológica e a dos sistemas agrícolas em todas as tipologias. A inovação inclusiva e a melhoria da capacidade humana e financeira nas organizações relevantes foram consideradas fundamentais para o sucesso da IS. Estes dados podem ajudar a definir uma agenda de pesquisa adequada e pontos-chave de entrada para a IS, nos sistemas de cultivo mais comuns em ambos os países, ou seja sistemas de leguminosas-milho, sistemas mistos de milho-pecuária e sistemas agro-florestais.A revisão da literatura mostra que existem várias características sócio-econômicas que afectam a adopção de práticas agrícolas sustentáveis em ambos os países. Estas incluíram características do agregado familiar, tais como nível de educação, género, relações com outros agricultores, tipo de sistemas de posse da terra, rendimento familiar e tamanho da terra.

Em suma, este estudo recomenda o uso de tipologias agrícolas simples e flexíveis, mutuamente exclusivas, que reflictam as diferentes circunstâncias biofísicas e sócio-econômicas dos agricultores, para co-projetar a implementação da IS e os perfis de adopção que servirão de base para adaptar a IS às necessidades de cada grupo. Além disso, a tipologia de intervenções agrícolas adaptadas pode agregar valor à concepção actual de sistemas agrícolas, fornecendo aos agricultores as ferramentas de que necessitam para melhorar os seus sistemas. Por último, a construção de melhores sinergias entre os agentes locais é também considerada fundamental na harmonização dos conceitos de IS e das estratégias de intervenção.

Para aceder ao artigo completo em Inglês: wp2_lcs5_final-report

Para aceder ao sumário executivo em Português do artigo: wp2_lcs5_pt_sumario_executivo

 

Levantamento de competências na parceria de inovação “Cooperativa Sementes do Planalto”

No âmbito do projecto CDAIS, decorre desde o dia 14 até ao dia 16 de Novembro de 2016, no Município do Bailundo, Província do Huambo, o levantamento de competências para a inovação dos sistemas agrários, na parceria de inovação “Cooperativa Sementes do Planalto”.

Desde o primeiro dia, contou-se com a presença de 11 actores das seguintes instituições: ONG Codespa, IIA, SENSE, comunicação social (rádio Bailundo-apenas no 1º dia), cooperativas de agricultores, associações de agricultores, comprador de sementes, chefe de repartição municipal da agricultura do Bailundo.

O referido encontro decorre na sala de reuniões da Administração Municipal do Bailundo, facilitado pelo sr. Agnelo Miguel, coadjuvado pela Sra. Luisa Dovala e supervisionado pela Sra. Imaculada da Conceição. Dos actores presentes, 33% representa o género feminino.

Os participantes apresentam-se motivados e interessados a trabalhar em parceria, devido ao objectivo comum da “cadeia de valor das sementes” e tendo em conta a dificuldade em acesso às mesmas, no mercado Angolano, tanto em qualidade como em quantidade.

 

 

O CDAIS pretende contribuir para a segurança alimentar, nutrição e agricultura sustentável, actuando a três níveis: (1) global, promovendo um mecanismo global de partilha, coordenação e avaliação de competências para o desenvolvimento, (2) nacional, estimulando a coordenação de políticas e planos nacionais para apoiar os sistemas de inovação agrária, e (3) local, apoiando parcerias de inovação, seleccionadas de acordo com critérios gerais e específicos e validados por actores chave dos sistemas agrários nacionais.

Este projecto é uma parceria global, financiada pela União Europeia e implementada conjuntamente pela Agrinatura, um consórcio de 31 universidades europeias que funciona como o órgão técnico da União Europeia na área da agricultura para o desenvolvimento, a FAO, Organização para Agricultura e Alimentação, das Nações Unidas e o Instituto de Investigação Agronómica, em representação do Ministério da Agricultura de Angola.

 

Agnelo Miguel-Facilitador Nacional do CDAIS em Angola – Parceria “Cooperativa Sementes do Planalto” sementes.

Continua o Levantamento de competências para a inovação dos sistemas agrários em Angola: Projecto Desenvolvimento de arroz em Angola

Teve lugar de 8 a 10 de novembro, no Campus da Chianga, na Província do Huambo, o Workshop de Levantamento de Competências Necessárias à Inovação dos Sistemas Agrários na parceria de inovação: Projecto de desenvolvimento do Arroz em Angola, no âmbito do projecto CDAIS– Desenvolvimento de Competências para a Inovação dos Sistemas Agrários.

O projecto CDAIS pretende contribuir para a segurança alimentar, nutrição e agricultura sustentável e actua a três níveis: (1) a nível global, promovendo um mecanismo global de partilha, coordenação e avaliação de competências para o desenvolvimento, (2) a nível nacional, estimulando a coordenação de políticas e planos nacionais para apoiar os sistemas de inovação agrária, e (3) a nível local, apoiando parcerias de inovação, seleccionadas de acordo com critérios gerais e específicos e validados por actores chave dos sistemas agrários nacionais.

Nesta acção, participaram 11 actores do sector da agricultura local, a nível da produção, comercialização, extensão rural (IDA e ADRA), investigação (IIA) e academia (FCA). Os trabalhos do workshop decorreram sob a orientação dos 3 facilitadores nacionais de inovação, treinados pelo projecto e acompanhados pelo ponto focal da Agrinatura.

2016-11-09-13-50-552016-11-10-11-59-16

Pretendeu-se proceder à identificação das competências necessárias à inovação dos sistemas agrários, na parceria do arroz, para formular um Plano de Acção de desenvolvimento de competências, a implementar junto desta parceria. Uma das primeiras acções, identificadas pelos actores presentes, será a criação do mecanismo de coordenação da parceria.

O projecto CDAIS é uma parceria global, financiada pela União Europeia e implementada conjuntamente pela Agrinatura, um consórcio de 31 universidades europeias que funciona como o órgão técnico da União Europeia na área da agricultura para o desenvolvimento, a FAO, Organização para Agricultura e Alimentação, das Nações Unidas e o Instituto de Investigação Agronómica, em representação do Ministério da Agricultura de Angola.

Começou a fase de Levantamento de Competências Necessárias à Inovação dos Sistemas Agrários em Angola – CDAIS

Entre os dias 26 e 28 de Outubro, realiza-se no Bungo, província do Uíge, o Workshop de Levantamento de Competências Necessárias à Inovação dos Sistemas Agrários na parceria de inovação: Reforço das associações de produtores de mandioca, amendoim e hortícolas, no âmbito do projecto CDAIS – Desenvolvimento de Competências para a Inovação dos Sistemas Agrários.

Nesta acção participam 13 actores do sector da agricultura local, a nível da produção, transportes, distribuição, transformação, extensão rural, assim como representantes de associações de produtores e da parceria de inovação. Os trabalhos do workshop decorrem sob a orientação de um facilitador nacional de inovação, que pertence à instituição Fundação Africana para a Inovação, com sede em Angola, em Luanda, e de uma colaboradora da Agrinatura, do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, sendo o apoio logístico assegurado pela JMJ consultadoria.

image1

O levantamento das competências necessárias para a inovação dos sistemas agrários é um dos pontos chave do projecto CDAIS. Os trabalhos no terreno estão a ser coordenados pela Agrinatura, através do seu Ponto Focal em Angola, que pertence ao Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, Portugal, e conta com a colaboração de vários facilitadores nacionais de inovação, provenientes de diferentes organizações Angolanas. As actividades decorrem em articulação e com o apoio da FAO e do IIA.

Através de metodologias participativas, baseadas em exercícios interactivos, pretende-se captar as opiniões de todos os actores que fazem parte da parceria de inovação. O objectivo é a posterior formulação de um Plano de Acção cuja meta é melhorar a eficiência das acções de desenvolvimento de competências, através de ciclos iterativos de aprendizagem, no âmbito das parcerias de inovação.

O projecto CDAIS é uma parceria global, financiada pela União Europeia e implementada conjuntamente pela Agrinatura, um consórcio de 31 universidades europeias que funciona como o órgão técnico da União Europeia na área da agricultura para o desenvolvimento, e a FAO, Organização para Agricultura e Alimentação, das Nações Unidas. O projecto CDAIS pretende contribuir para a segurança alimentar, nutrição e agricultura sustentável e actua a três níveis: (1) a nível global, promovendo um mecanismo global de partilha, coordenação e avaliação de competências para o desenvolvimento, (2) a nível nacional, estimulando a coordenação de políticas e planos nacionais para apoiar os sistemas de inovação agrária, e (3) a nível local, apoiando parcerias de inovação, seleccionadas de acordo com critérios gerais e específicos e validados por actores chave dos sistemas agrários nacionais.

 Curso dos Facilitadores Nacionais de Inovação em Angola – CDAIS

Entre os dias 3 e 6 de Outubro. realiza-se no Campus da Chianga, Huambo, o curso de Facilitadores Nacionais de Inovação, no âmbito do projecto CDAIS – Desenvolvimento de Competências para a Inovação dos Sistemas Agrários.

Neste curso participam 11 formandos pertencentes às seguintes instituições: Instituto de Investigação Agrária, Faculdade de Ciências Agrárias da Universidade José Eduardo dos Santos, Projecto Terra do Futuro, Instituto Nacional do Café de Angola, Fundação para a Inovação Agrícola (AIF) e da Administração Municipal do Bailundo.

A formação é coordenada pela Agrinatura, através do seu Ponto Focal para o CDAIS em Angola, que pertence ao Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, Portugal, e conta com a colaboração da Coordenadora Global do Projecto, do Centro Internacional para a Investigação Agrícola (ICRA), Holanda, e ainda com a Gestora Nacional do CDAIS, da FAO.

O projecto CDAIS é uma parceria global, financiada pela União Europeia e implementada conjuntamente pela Agrinatura, um consórcio de 31 Universidades europeias que funciona como o órgão técnico da União Europeia na área da agricultura para o desenvolvimento, e a FAO, Organização para Agricultura e Alimentação, das Nações Unidas. O projecto CDAIS pretende contribuir para a segurança alimentar, nutrição e agricultura sustentável e actua a três níveis: – a nível global, promovendo um mecanismo global de partilha, coordenação e avaliação de competências para o desenvolvimento, – a nível nacional, estimulando a coordenação de políticas e planos nacionais para apoiar os sistemas de inovação agrária, e – a nível local, apoiando parcerias de inovação, seleccionadas de acordo com critérios gerais e específicos, validados por actores chave dos sistemas agrários nacionais.

O Curso de Facilitadores Nacionais é um dos pontos chave do projecto CDAIS, e visa preparar os facilitadores para a realização do Levantamento de Competências Necessárias, nas parcerias de inovação seleccionadas, e será o próximo passo do CDAIS. Este levantamento de competências precede a formulação de um Plano de Acção cujo objectivo é melhorar a eficiência das acções de desenvolvimento de competências, através de ciclos iterativos de aprendizagem, no âmbito das parcerias de inovação.

 

 

 

 

 

1º Retiro Anual do TropiKMan PhD

O 1º Retiro Anual do programa doutoral em Saber Tropical e Gestão – Tropical Knowledge and Management – TropiKMan PhD, referente à 1ª edição do programa, teve lugar no passado dia 1 de Julho, na 1t.pngNovaSBE, contando com a presença dos alunos do programa e de vários membros do seu corpo docente, bem como da direcção do programa, para além de outros convidados, como o CEO da Fundação Portugal-África e um membro do conselho de acompanhamento externo do TropiKMan PhD.

O Programa do dia incluiu apresentações de colaboradores da Nova SBE, ISA-ULisboa e IHMT.

Carlos Reis Marques, Nova SBE, falou sobre a “Value Creation Wheel” (VCW) que fornece as bases para uma metodologia iterativa e circular para resolução de problemas com base em soluções flexíveis, criativas e inovadoras, actuando ao nível dos produtos, processos, disseminação e organização e que a qualquer momento pode ser adaptada a novas circunstâncias. Esta estratégia relaciona-se ainda com a integração, cooperação e participação de vários actores e tecnologias a um nível local mas com possíveis impactos a um nível mais amplo.

Fig-1-DIANA-VCW's-theoretical-framework.jpg

 Value Creation Wheel: Innovation, technology, business, and society (accessed July 26, 2016). Available from: https://www.researchgate.net/publication/302553288_VCW_Value_Creation_Wheel_Innovation_technology_business_and_society

Luís Mira Silva fez uma apresentação sobre empreendedorismo e inovação, baseada na INOVISA, incubadora de empresas do ISA-ULisboa, como potenciadora de novas empresas, através do aconselhamento de programas de financiamentos disponíveis, no apoio ao desenvolvimento do modelo de negócio e no acompanhamento dos primeiros anos da nova empresa.

Ana Afonso, do IHMT, apresentou o seu trabalho com o vírus Zyka, em que pretende criar um kit para identificação rápida e simples da infecção com o vírus, através de experiências para criar variedades resistentes ao fármaco actualmente em uso.

Maria Manuel Romeiras, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, fez uma apresentação sobre a biodiversidade nos trópicos e o seu papel na descoberta de novos de medicamentos, onde foi abordado o papel primordial das plantas como fonte de princípios activos para a cura de doenças, sublinhando o imenso manancial de plantas medicinais que ainda está por descobrir nas zonas tropicais.

Da discussão que se seguiu, foi abordada a questão da descoberta de novos compostos activos para elaboração de medicamentos que, na maioria das vezes, não traz benefícios às populações locais. Estas têm um papel preponderante na conservação de certas espécies e são muitas vezes fonte de informação sobre a fitoterapia.

 O ponto forte deste dia foi a apresentação das propostas de investigação dos estudantes, cuja implementação terá início no próximo ano lectivo. De referir que, de acordo com os objectivos do TropiKMan PhD, todos os trabalhos estão focados na realidade local de cada estudante, pelo que serão desenvolvidos em parceria entre Moçambique e Portugal. Segue-se uma breve descrição destas propostas:

2t.png

  1. Aires Mbanze: Valorização Económica dos Serviços Ambientais, com os objectivos principais, abordagem metodológica e cronograma.
  2. Ana Gomes: Gestão de culturas e análise das variedade de leguminosas mais produtivas, em termos genéticos e nutritivos no contexto moçambicano. Para além da caracterização genética e análise nutricional, a tese irá centrar-se também em questões sócio-económicas de adopção de certo tipo de variedades/espécies.
  3. Gefra Fulane: Aplicação da VCW às ciências médicas, nomeadamente nas doenças de HIV&AIDS e Cancro Cervical, que têm pouca ou nenhuma atenção nos actuais objectivos traçados pelo sistema nacional de saúde, apesar da sua prevalência em Moçambique.
  4. Ivete Maquia: Gestão sustentável do fogo em habitats específicos de espécies de árvores de leguminosas.
  5. João Chunga: Análise cadeias de valor da banana e do frango. A análise combinará uma perspectiva económica com as “lean tools”,para levantar e ultrapassar os seus constrangimentos.
  6. Paulo Guilherme: Transferência de tecnologia na cultura do arroz em Moçambique: da investigação ao campo de cultivo. Irá identificar os constrangimentos na transferência do conhecimento produzido e propor soluções para os ultrapassar.
  7. Valter Nuaila: Desenvolvimento de ferramentas moleculares para identificação de genes resistentes a doenças provocadas por fungos e bactérias.

As apresentações foram seguidas de inquirição e sugestões pelo corpo docente presente, permitindo aos estudantes a recolha de sugestões de revisão e enriquecimento das suas propostas.

3t

Para mais informações: Panfleto Informativo do TropiKMan PhD disponível em Inglês

 

Workshop de lançamento do CDAIS em Angola

O Projeto “Desenvolvimento de Competências para a Inovação dos Sistemas Agrários” – CDAIS –, financiado pela União Europeia, teve o arranque formal das suas atividades em Angola, com a realização do Workshop de Lançamento, nos passados dias 18 e 19 de Maio.

Organizado pela FAO, em parceria com a Agrinatura, foi acolhido pelo Dr Mpanzo Domingos, Diretor Geral do Instituto de Investigação Agronómica (IIA) e Coordenador Nacional do CDAIS, e teve lugar no Instituto de Investigação Veterinária.

A sessão de abertura foi assinalada pela presença de Suas Exas o Sr Secretário de Estado da Agricultura, General Domingos Amaro Tati, o Sr Governador Provincial do Huambo, General Kundi Payhama, o Representante da FAO em Angola, Embaixador Mamoudou Djallo, a Representante da Agrinatura e Coordenadora Global do CDAIS, Doutora Myra Wopereis e a Doutora Cleonice Costa, Diretora Geral do IIV.

 

 

A concluir a cerimómia de abertura, a Doutora Ana Portugal Melo, investigadora do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa e Ponto Focal da Agrinatura, apresentou as linhas orientadoras do Projeto CDAIS a uma vasta audiência de representantes da investigação, ensino superior, organizações de agricultores, fundações, organizações não governamentais e serviços de extensão do ministério da agricultura.

 

O Doutor Mpanzo Domingos apresentou os objetivos deste Workshop, nomeadamente, o desenvolvimento de um entendimento partilhado do CDAIS. Referiu ainda, a discussão e validação dos critérios para a selecção das parcerias de inovação que serão alvo dos próximos passos do projeto, designadamente, um levantamento de necessidades conducente à elaboração de um plano de ação de desenvolvimento de competências para a inovação dos sistemas agrários.

 

A Doutora Ana Portugal Melo, com o apoio da equipa da FAO, conduziu o plenário pelos detalhes do projecto, desde o Estudo Exploratório, completado pelas perspectivas dos presentes, até aos diferentes conceitos e competências necessárias para a inovação dos sistemas agrários, recorrendo a varias metodologias participativas, que para além de darem voz aos participantes, lhes permitiram experienciar os desafios do trabalho colaborativo entre diferentes organizações de diferentes categorias, logo trazendo consigo diferentes perspectivas e conhecimentos. As competências funcionais que o CDAIS, com vista a uma mudança de mentalidade, são quatro: Navegar complexidades, Colaborar, Refletir e aprender e Comprometer em processos estratégicos e políticos, e possibilitarão uma constante capacidade de adaptação e resposta a um mundo em constante mudança. De realçar que Suas Exas o Sr Secretário de Estado da Agricultura e o Representante da FAO em Angola, colaboraram activamente nos trabalhos do primeiro dia, participando do plenário e integrando-se nos diferentes exercícios propostos.

 

Os trabalhos concluiram-se no dia seguinte, com a elaboração de uma lista de potenciais parcerias de inovação para serem alvo do levantamento de necessidades, e a constituição de um grupo de trabalho integrando algumas das instituições presentes, que irá fazer uma pré-seleção a apresentar ao Comité Nacional do Projeto.

 

O Evento na imprensa:

http://www.angop.ao/angola/pt_pt/noticias/sociedade/2016/4/20/Huambo-Worshop-sobre-inovacao-sistema-agrario-constitui-destaque-semana,08cccd4b-be3a-4050-94be-58f04bf92df9.html

http://www.angop.ao/angola/pt_pt/noticias/economia/2016/4/20/Huambo-Encerrou-workshop-sobre-competencias-para-inovacao-agrario,d669962b-d016-46b6-ac93-4c8641b17a2c.html

http://www.angop.ao/angola/pt_pt/noticias/economia/2016/4/20/Huambo-FAO-reitera-apoio-programa-agrario,e5f6b327-08c2-4890-a29a-02209479f305.html

http://www.angop.ao/angola/pt_pt/noticias/sociedade/2016/4/20/Huambo-acolhe-lancamento-projecto-desenvolvimento-dos-sistemas-agricolas,add4e6dc-7312-466b-bc12-4aa0ab333bc2.html

http://www.portaldeangola.com/2016/05/huambo-acolhe-lancamento-do-projecto-de-desenvolvimento-dos-sistemas-agricolas/

 

 

New partnership between FAO, AGRINATURA and MINAGRI about Capacity Development of Agricultural Innovation Systems towards a sustainable agriculture in Angola.

The Project Capacity Development of Agricultural Innovation Systems – CDAIS – funded by the European Union, had its official start in Angola, with the Inception Workshop, in the past days 18th and 19th of May.

Organized by FAO, in partnership with Agrinatura, it was hosted by Dr. Mpanzo Domingos, General Director of the Agronomic Research Institute (IIA) of Angola and national coordinator of CDAIS, and took place in the Veterinary Research Institute (IIV) in Huambo.

The workshop counted with the participation of agricultural research institutes, farmers, agricultural cooperatives, agricultural schools, private sector, NGO’s, foundations and the institutions of extension and agricultural development.

The CDAIS Project can make the agricultural systems more effective and durable by answering to the needs, challenges and objectives of the different actors of the partnerships in Angola.

At a global level, the project aims to strengthen the institutional, organizational and individual capacities of innovative partnerships and predicts to enhance the capacities of 160 facilitators and establish 24 innovation partnerships, beyond the organizational culture, practices and procedures of 40 key organizations.

Dr. Mpanzo Domingos presented the workshop’s objectives, highlighting a mutual understanding development of CDAIS shared for the institutions present and the identification of potential innovation partnerships, to which CDAIS project could add value.

The opening session was chaired by its Excellence, the Agricultural State Secretary of Agriculture, Eng. José Amaro Tati, flanked by Huambo’s Governor, its Excelence General Kundi Pahama, by most worthy, FAO representative in Angola, Mr. Mamadou Diallo and for the Agrinatura representative and Global Coordinator of CDAIS Dra Myra Wopereis and by Dra Cleonice Costa, General Director of IIV.

 

After the welcome speech, pronounced by its Excellence, General Kundi Pahama, followed by FAO representatives in Angola, the participants carefully followed the oppening speech pronounced by its Excellence, Agricultural State Secretary, Eng. José Amaro Tati.

In its speech, the general Kundi Pahama appreciate the choice of the province to host the event, and reiterated the project’s importance in the context of the economy diversification, as well as in the context of the province vocation for agriculture.

Also, the Agriculture Secretary of State, emphasized agriculture’s research and extension’s role, as cornerstones of the sector, highlighting the CDAIS alignment with the National Development Plan, namely, to establish a tighten mechanism of coordination and synergies among different actors and other intervenients of the rural world, and with the environmental paradigm.

“Angola assigns a key role to the agriculture in the context of diversification of its economy” said Eng. José Amaro Tati, Agricultural Secretary of State, to the distinguished partners involved in the agricultural innovation systems during the opening of the CDAIS project’s inception workshop.

The Chair’s president also highlighted the role of the programs implemented by the Angolan executive in the post-conflict period, under the guidance of its Excellence, Eng. José Eduardo dos Santos, President of Angolan Republic, in generating jobs and income, and in poverty reduction.

Agricultural Secretary of State also said that the agricultural innovation systems requires the interaction, cooperation and partnership between the different actors of the system.

Angola is one of the 8 pilot countries that benefit from this G20 initiative, through the Tropical Agriculture Platform. The other beneficiaries’ countries are: Bangladesh, Etiopia, Burkina Faso, Guatemala, Honduras, Laos and Rwanda.

After the opening session, Dra Ana Portugal Melo, researcher at School of Agriculture of the University of Lisbon and Focal point of Agrinatura, presented the guidelines of CDAIS project to the attendants.

Dra Ana Portugal Melo, with the support of FAO’s team, guided the plenary through the project’s details, from the Scoping Study, completed by the workshop attendants perspectives, to the different concepts and capacities needed for the agricultural innovation systems, recurring to various participative methodologies, that, besides giving voice to the participants, allowed them to experience the challenges of the collaborative work among different organizations of different categories, therefore, bringing different perspectives and knowledge. The functional capacities considered by CDAIS, in order to a mind set change, are four: To Navigate complexities, to Cooperate, to Reflect and to Learn and to Engage in strategic and political processes, that will allow to a Capacity to adapt and respond in a world of constant change. To emphasize, that their Excellences, the Agricultural Secretary of State and the representative of FAO in Angola, actively cooperated in the first day work, participating in the plenary and integrating the groups for the different proposed exercises.

In the next day, the national coordinator of CDAIS, facilitate the discussion and validation of the selection criteria of the innovation partnerships to be targeted of a capacity development needs assessment for the agricultural innovation systems, leading to a action plan for the development of capacities for the agricultural innovation systems.

It was also identified the institutions that will be part of the working group, that will support the CDAIS National Committee, in this phase of the project, and also those that will referentiate potential facilitators, that after receiving training, will cooperate in the needs assessment for the capacity development of agricultural innovation systems.

The participants of the workshop highlighted the interest in the proposed theme, focused on the development of functional capacities, and the adopted methodology, with a participative and broad nature.

The workshop’s attendants validated the scoping study, recommending new potential innovation partnerships, and their criteria and process of selection, with the necessary adaptations to the national context.