Sessões de treinamento em técnicas de produção de arroz para as FCA da UniLúrio e da UJES

Por Arlindo Matsinhe, técnico do IRRI

No âmbito da parceria entre o IRRI, Faculdade de Ciências Agrárias-UNANGO, Faculdade de Ciências Agrárias-HUAMBO, Instituto de Investigação Agronómica de Huambo e Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, que visa analisar o potencial e a adaptabilidade de variedades de arroz, foi realizado duas sessões de treinamento na Estação Agrária de Umbeluzi na provincia de Maputo. As duas sessões de treinamento tinham como objectivo capacitar os formandos na parte teórica e prática sobre as técnicas de produção de arroz, desde a sementeira até pós-colheita.

  • A primeira sessão de treinamento decorreu entre os dias 07 à 10 de Março de 2017 com participação de 3 formandos, sendo dois estudantes finalistas e um assistente universitário provenientes da Faculdade de Ciências Agrárias-UNANGO
  • A segunda sessão decorreu entre os dias 20 à 24 de Março de 2017 donde estiveram presentes dois técnicos e uma docente, sendo dois da FCA-Huambo e um do IIA.

 

Imagens dos treinos

Treino dos formandos do IIA e FCA-UJES, Angola. Ao alto, demonstração da altura da planta pela técnica da FCA; de cima para baixo, contagem dos números de filhos, prática da debulha das panículas e amostragem dos grãos cheios e chochos, foto familia dos formandos da FCA-Ujes e IIA com os formadores.

 

Treino dos formandos FCA-UniLúrio, Moçambique. Ao alto, medindo o comprimento das panículas; de cima para baixo, demonstração da selecção das 30 panículas como parte das componentes de rendimento;  contagem dos números de filhos, discussão entre os formandos e os técnicos do IRRI sobre algumas doenças de arroz, explanação das actividades de melhoramento levadas a cabo pelo IRRI.

Anúncios

Variedades de arroz do IRRI testadas em Angola

No âmbito da parceria ISA-ULisboa, FCA, IIA e IRRI, que visa analisar o potencial e a adaptabilidade de algumas variedades de arroz, foi realizado uma visita de trabalho em Angola na provincia de Huambo, entre os dias 07 e 11 de Novembro de 2016. Esta missão tinha como principal objectivo ajudar e trocar experiência com os técnicos do Instituto de Investigação Agronómica e da Faculdade de Ciências Agrárias da Universidade José Eduardo dos Santos, na técnica de sementeira directa de variedades de arroz. Para além disso, houve treinamento dos agricultores locais nas técnicas de sementeira directa e marcação de linhas para sementeira de ensaios.

Nesta primeira fase da missão estiveram envolvidos dois técnicos do IIA e 8 agricultores enquanto que do lado da FCA estive um monitor e 12 agricultores.

Este trabalho foi realizado em dois campos de experimentação no IIA e FCA, tendo sido plantadas 12 variedades, das quais 10 vindas do IRRI e 2 locais usadas como testemunhas. Para cada local, plantaram se as 12 variedades para o sistema irrigado e sistema sequeiro.

Abaixo, as imagens sobre a capacitação da sementeira directa e marcação de linhas.

 

Campo de Ngoingoima (FCA): da esquerda para a direita e de cima para baixo – antes da sementeira, marcação das linhas, semeando, depois de semear, foto de grupo.

Campo da Chianga (IIA): antes da sementeira,  semeando, depois de semear, foto de grupo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

por Arlindo Matsinhe (técnico do IRRI)

Continua o Levantamento de competências para a inovação dos sistemas agrários em Angola: Projecto Desenvolvimento de arroz em Angola

Teve lugar de 8 a 10 de novembro, no Campus da Chianga, na Província do Huambo, o Workshop de Levantamento de Competências Necessárias à Inovação dos Sistemas Agrários na parceria de inovação: Projecto de desenvolvimento do Arroz em Angola, no âmbito do projecto CDAIS– Desenvolvimento de Competências para a Inovação dos Sistemas Agrários.

O projecto CDAIS pretende contribuir para a segurança alimentar, nutrição e agricultura sustentável e actua a três níveis: (1) a nível global, promovendo um mecanismo global de partilha, coordenação e avaliação de competências para o desenvolvimento, (2) a nível nacional, estimulando a coordenação de políticas e planos nacionais para apoiar os sistemas de inovação agrária, e (3) a nível local, apoiando parcerias de inovação, seleccionadas de acordo com critérios gerais e específicos e validados por actores chave dos sistemas agrários nacionais.

Nesta acção, participaram 11 actores do sector da agricultura local, a nível da produção, comercialização, extensão rural (IDA e ADRA), investigação (IIA) e academia (FCA). Os trabalhos do workshop decorreram sob a orientação dos 3 facilitadores nacionais de inovação, treinados pelo projecto e acompanhados pelo ponto focal da Agrinatura.

2016-11-09-13-50-552016-11-10-11-59-16

Pretendeu-se proceder à identificação das competências necessárias à inovação dos sistemas agrários, na parceria do arroz, para formular um Plano de Acção de desenvolvimento de competências, a implementar junto desta parceria. Uma das primeiras acções, identificadas pelos actores presentes, será a criação do mecanismo de coordenação da parceria.

O projecto CDAIS é uma parceria global, financiada pela União Europeia e implementada conjuntamente pela Agrinatura, um consórcio de 31 universidades europeias que funciona como o órgão técnico da União Europeia na área da agricultura para o desenvolvimento, a FAO, Organização para Agricultura e Alimentação, das Nações Unidas e o Instituto de Investigação Agronómica, em representação do Ministério da Agricultura de Angola.

1º Retiro Anual do TropiKMan PhD

O 1º Retiro Anual do programa doutoral em Saber Tropical e Gestão – Tropical Knowledge and Management – TropiKMan PhD, referente à 1ª edição do programa, teve lugar no passado dia 1 de Julho, na 1t.pngNovaSBE, contando com a presença dos alunos do programa e de vários membros do seu corpo docente, bem como da direcção do programa, para além de outros convidados, como o CEO da Fundação Portugal-África e um membro do conselho de acompanhamento externo do TropiKMan PhD.

O Programa do dia incluiu apresentações de colaboradores da Nova SBE, ISA-ULisboa e IHMT.

Carlos Reis Marques, Nova SBE, falou sobre a “Value Creation Wheel” (VCW) que fornece as bases para uma metodologia iterativa e circular para resolução de problemas com base em soluções flexíveis, criativas e inovadoras, actuando ao nível dos produtos, processos, disseminação e organização e que a qualquer momento pode ser adaptada a novas circunstâncias. Esta estratégia relaciona-se ainda com a integração, cooperação e participação de vários actores e tecnologias a um nível local mas com possíveis impactos a um nível mais amplo.

Fig-1-DIANA-VCW's-theoretical-framework.jpg

 Value Creation Wheel: Innovation, technology, business, and society (accessed July 26, 2016). Available from: https://www.researchgate.net/publication/302553288_VCW_Value_Creation_Wheel_Innovation_technology_business_and_society

Luís Mira Silva fez uma apresentação sobre empreendedorismo e inovação, baseada na INOVISA, incubadora de empresas do ISA-ULisboa, como potenciadora de novas empresas, através do aconselhamento de programas de financiamentos disponíveis, no apoio ao desenvolvimento do modelo de negócio e no acompanhamento dos primeiros anos da nova empresa.

Ana Afonso, do IHMT, apresentou o seu trabalho com o vírus Zyka, em que pretende criar um kit para identificação rápida e simples da infecção com o vírus, através de experiências para criar variedades resistentes ao fármaco actualmente em uso.

Maria Manuel Romeiras, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, fez uma apresentação sobre a biodiversidade nos trópicos e o seu papel na descoberta de novos de medicamentos, onde foi abordado o papel primordial das plantas como fonte de princípios activos para a cura de doenças, sublinhando o imenso manancial de plantas medicinais que ainda está por descobrir nas zonas tropicais.

Da discussão que se seguiu, foi abordada a questão da descoberta de novos compostos activos para elaboração de medicamentos que, na maioria das vezes, não traz benefícios às populações locais. Estas têm um papel preponderante na conservação de certas espécies e são muitas vezes fonte de informação sobre a fitoterapia.

 O ponto forte deste dia foi a apresentação das propostas de investigação dos estudantes, cuja implementação terá início no próximo ano lectivo. De referir que, de acordo com os objectivos do TropiKMan PhD, todos os trabalhos estão focados na realidade local de cada estudante, pelo que serão desenvolvidos em parceria entre Moçambique e Portugal. Segue-se uma breve descrição destas propostas:

2t.png

  1. Aires Mbanze: Valorização Económica dos Serviços Ambientais, com os objectivos principais, abordagem metodológica e cronograma.
  2. Ana Gomes: Gestão de culturas e análise das variedade de leguminosas mais produtivas, em termos genéticos e nutritivos no contexto moçambicano. Para além da caracterização genética e análise nutricional, a tese irá centrar-se também em questões sócio-económicas de adopção de certo tipo de variedades/espécies.
  3. Gefra Fulane: Aplicação da VCW às ciências médicas, nomeadamente nas doenças de HIV&AIDS e Cancro Cervical, que têm pouca ou nenhuma atenção nos actuais objectivos traçados pelo sistema nacional de saúde, apesar da sua prevalência em Moçambique.
  4. Ivete Maquia: Gestão sustentável do fogo em habitats específicos de espécies de árvores de leguminosas.
  5. João Chunga: Análise cadeias de valor da banana e do frango. A análise combinará uma perspectiva económica com as “lean tools”,para levantar e ultrapassar os seus constrangimentos.
  6. Paulo Guilherme: Transferência de tecnologia na cultura do arroz em Moçambique: da investigação ao campo de cultivo. Irá identificar os constrangimentos na transferência do conhecimento produzido e propor soluções para os ultrapassar.
  7. Valter Nuaila: Desenvolvimento de ferramentas moleculares para identificação de genes resistentes a doenças provocadas por fungos e bactérias.

As apresentações foram seguidas de inquirição e sugestões pelo corpo docente presente, permitindo aos estudantes a recolha de sugestões de revisão e enriquecimento das suas propostas.

3t

Para mais informações: Panfleto Informativo do TropiKMan PhD disponível em Inglês