Sessões de treinamento em técnicas de produção de arroz para as FCA da UniLúrio e da UJES

Por Arlindo Matsinhe, técnico do IRRI

No âmbito da parceria entre o IRRI, Faculdade de Ciências Agrárias-UNANGO, Faculdade de Ciências Agrárias-HUAMBO, Instituto de Investigação Agronómica de Huambo e Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, que visa analisar o potencial e a adaptabilidade de variedades de arroz, foi realizado duas sessões de treinamento na Estação Agrária de Umbeluzi na provincia de Maputo. As duas sessões de treinamento tinham como objectivo capacitar os formandos na parte teórica e prática sobre as técnicas de produção de arroz, desde a sementeira até pós-colheita.

  • A primeira sessão de treinamento decorreu entre os dias 07 à 10 de Março de 2017 com participação de 3 formandos, sendo dois estudantes finalistas e um assistente universitário provenientes da Faculdade de Ciências Agrárias-UNANGO
  • A segunda sessão decorreu entre os dias 20 à 24 de Março de 2017 donde estiveram presentes dois técnicos e uma docente, sendo dois da FCA-Huambo e um do IIA.

 

Imagens dos treinos

Treino dos formandos do IIA e FCA-UJES, Angola. Ao alto, demonstração da altura da planta pela técnica da FCA; de cima para baixo, contagem dos números de filhos, prática da debulha das panículas e amostragem dos grãos cheios e chochos, foto familia dos formandos da FCA-Ujes e IIA com os formadores.

 

Treino dos formandos FCA-UniLúrio, Moçambique. Ao alto, medindo o comprimento das panículas; de cima para baixo, demonstração da selecção das 30 panículas como parte das componentes de rendimento;  contagem dos números de filhos, discussão entre os formandos e os técnicos do IRRI sobre algumas doenças de arroz, explanação das actividades de melhoramento levadas a cabo pelo IRRI.

Tropical soil microbiology and biodiversity: a tool for sustainable intensification of agriculture in Mozambique

Soil microorganisms are able to establish beneficial relationships with plants, helping plants in nutrients uptake like N and P, defence against plants foes and other important benefits, in return soil microorganisms receive organic compounds from plants. At present, it’s known that plants can determine the composition of the root micro- biome by active secretion of compounds that specifically stimulate or repress members of the microbial community (Doornbos et al., 2012). Occurrence of different associative microorganisms in rice (Oryza sativa L) fields has been reported by various studies from many countries. Nowadays, it’s known that limitations in water resources and arable land have caused the rice farming areas of rice-producing countries to exhibit a declining trend, so, increases in rice yield mainly rely on only the increase in per unit area yield (Xue et al., 2015).

Biofertilizers are a new type of fertilizer, containing microorganisms which help to provide more nutrients to plants, they are very known in soybean, they do not pollute the environment and they are normally cheaper than the chemical fertilizers. Therefore, the use of biofertilizers for growing rice may allow to reduce the rice production costs, improve the yields and minimize the environmental impacts. In Mozambique, we lack information about the relationships between rice and its growth promoting microorganisms present in the soil and most farmers use chemical fertilizers for supplying nutrients to the soil. The objectives of our study are as follows: (i) to evaluate how the bacteria, archaea and fungi diversity changes in rice growing fields and virgin fields; (ii) understand how critical biogeochemical cycles may respond to current and impending environmental changes; (ii) to allow us to identify factors that determine microbial community structure and activity in space and time in rice growing and virgin fields.

SAMPLE COLLECTION IN CHOKWE AND RESEARCH STAY AT ARC-SOUTH AFRICA

The samples for this study were collected in three locations: Umbeluzi´s Experimental Station in Maputo, Chokwe´s Experimental Station in Gaza both belonging to the Mozambique´s Agronomic Research Institute and in Sanga-Faculty of Agronomic Sciences, Lúrio University.

For biochemical analysis, samples were collected in the virgin and rice growing fields and the analyses were performed at the laboratory of Plant and Soil- School of Agriculture of the University of Lisbon (ISA-ULisboa) – Portugal. The following soil analyses were performed: pH-H2O, electric conductivity, organic carbon, soil dry matter, available P and K, total concentrations of Ca, Mg, Na, K, Cu, Fe, Zn and P, total N and NH4+.

SANGA FIELD TRIALS

Through this project, I had already two internships in Pretoria – South Africa at the Agricultural Research Council- (Laboratory of Microbiology), where I learned about molecular biology techniques, such as: DNA (deoxyribonucleic acid) extraction from soil samples, electrophoresis using agarose gel, DNA quantification, PCR (Polymerase Chain Reaction), soil culture dependent and independent methods and more things about microbiology, this was undoubtedly a marvelous learning and experience. It’s a certainly a pleasure to be part of this project.

 

Belo Muetanene (FCA-UniLúrio, Mozambique)

 

Project partners

  • School of Agriculture of the University of Lisbon (ISA-ULisboa) – Portugal
  • IRRI-International Rice Research Institute – Mozambique
  • Agricultural Research Council (ARC) – Institute for Soil, Climate and Water-South Africa
  • Lúrio University, Faculty of Agronomic Sciences – Mozambique

Write workshop for ProIntensAfrica’s final report (PT version below)

On the 16th to 19th of January 2017, took place at Instituto Superior de Agronomia, Universidade de Lisboa, a write workshop for the making of ProIntensAfrica’s final report.

The event brought together a group of 19 researchers from 12 African and European institutions, namely FARA (Forum for Agricultural Research in Africa), ASARECA (Association for Strengthening Agricultural Research in Eastern and Central Africa), AFAAS (African Forum for Agricultural Advisory Services), CSIR-CRI (Council for Scientific and Industrial Research – Crops Research Institute), ARC (Agricultural Research Council, South Africa), ISA-ULisboa (Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa, Portugal), CIRAD (Centre de Coopération Internationale en Recherche Agronomique pour le Développement, France), WUR (Wageningen University & Research, Netherlands), SLU (Swedish University of Agricultural Sciences), LUKE (Natural Resources Institute Finland), UCL (Université Catholique de Louvain, Belgium) and UoC (University of Copenhagen, Denmark).

During the three and a half days of the Write workshop, it was made a quick review of the work done and delivered, and written a global synthesis document for the project, which ends in March. The result was a first draft of the ProIntensAfrica’s final report, currently under review by the partners.

This report will be presented at the African Union Headquarters next March.

The workshop finished in a good spirit and energy atmosphere, framed by the views and looks offered by the Instituto Superior de Agronomia.

ProIntensAfrica, a consortium of 23 members from different European and African countries, aims to develop a long-term research and innovation partnership proposal between Europe and Africa. Its main goal is to increase food and nutritional security as well as the livelihood of African farmers by exploiting a wide variety of pathways leading to a sustainable intensification of African agrifood systems, with the support of the relevant policy framework.

For further information see http://www.intensafrica.org/

 

foto-1foto-2

PROIntensAfrica – Write workshop do documento final do ProIntensAfrica

De 16 a 19 de Janeiro de 2017, realizou-se, no Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, o Write workshop do documento final do ProIntensAfrica.

O evento reuniu 19 investigadores de 12 instituições africanas e europeias, nomeadamente FARA (Forum for Agricultural Research in Africa), ASARECA (Association for Strengthening Agricultural Research in Eastern and Central Africa), AFAAS (African Forum for Agricultural Advisory Services), CSIR-CRI (Council for Scientific and Industrial Research – Crops Research Institute), ARC (Agricultural Research Council, África do Sul), ISA-ULisboa (Instituto Superior de Agronomia – Universidade de Lisboa), CIRAD (Centre de Coopération Internationale en Recherche Agronomique pour le Développement, França), WUR (Wageningen University & Research, Holanda), SLU (Swedish University of Agricultural Sciences, Suécia), LUKE (Natural Resources Institute of Finland, Finlândia), UCL (Université Catholique de Louvain, Bélgica) e UoC (University of Copenhagen, Dinamarca).

Durante os três dias e meio do Write workshop, fez-se uma rápida revisão dos trabalhos desenvolvidos e entregues e a redação de um documento síntese global do projeto, que termina em março. O resultado foi uma primeira versão do documento final do ProIntensAfrica, atualmente em fase de revisão pelos parceiros.

Este documento será apresentado na Sede da União Africana, no próximo mês de março.

Os trabalhos decorreram em ambiente de boa disposição e descontração, enquadrados pelas vistas e recantos oferecidos pelo Instituto Superior de Agronomia.

O PROIntensAfrica, consórcio de 23 membros de diferentes países europeus e africanos, visa desenvolver uma proposta de parceria de investigação e inovação, de longo prazo, entre a Europa e a África. O principal objetivo é o aumento da segurança alimentar e nutricional, bem como a subsistência dos agricultores africanos, através da exploração e aproveitamento de uma grande diversidade muito de vias que conduzem a uma intensificação sustentável dos sistemas agroalimentares africanos, com o apoio do enquadramento político relevante.

Para mais informações, consulte http://www.intensafrica.org/.

Presenting CDAIS-AO progress @ the Agri-chains and sustainable development 2016 conference

CDAIS Agrinatura focal person for Angola and Oliveira Paulo, national innovation facilitator trained and hired for the project presented and discussed methodologies and achievements of the project in Angola.

agri-chains

Poster poster_acsd_anav2

Extended abstract ext-abstract-cdais-angola

Variedades de arroz do IRRI testadas em Angola

No âmbito da parceria ISA-ULisboa, FCA, IIA e IRRI, que visa analisar o potencial e a adaptabilidade de algumas variedades de arroz, foi realizado uma visita de trabalho em Angola na provincia de Huambo, entre os dias 07 e 11 de Novembro de 2016. Esta missão tinha como principal objectivo ajudar e trocar experiência com os técnicos do Instituto de Investigação Agronómica e da Faculdade de Ciências Agrárias da Universidade José Eduardo dos Santos, na técnica de sementeira directa de variedades de arroz. Para além disso, houve treinamento dos agricultores locais nas técnicas de sementeira directa e marcação de linhas para sementeira de ensaios.

Nesta primeira fase da missão estiveram envolvidos dois técnicos do IIA e 8 agricultores enquanto que do lado da FCA estive um monitor e 12 agricultores.

Este trabalho foi realizado em dois campos de experimentação no IIA e FCA, tendo sido plantadas 12 variedades, das quais 10 vindas do IRRI e 2 locais usadas como testemunhas. Para cada local, plantaram se as 12 variedades para o sistema irrigado e sistema sequeiro.

Abaixo, as imagens sobre a capacitação da sementeira directa e marcação de linhas.

 

Campo de Ngoingoima (FCA): da esquerda para a direita e de cima para baixo – antes da sementeira, marcação das linhas, semeando, depois de semear, foto de grupo.

Campo da Chianga (IIA): antes da sementeira,  semeando, depois de semear, foto de grupo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

por Arlindo Matsinhe (técnico do IRRI)

Identificação de vias de Intensificação Sustentável para os sistemas de cultivo de milho-leguminosas: Estudo de caso de Moçambique e Tanzânia

pia_logo_rgb_small_webA agricultura global enfrenta enormes desafios no século XXI: as mudanças climáticas, a deplecção de nutrientes, as novas doenças e a insegurança alimentar estão entre as questões prementes que a agricultura deve abordar e enfrentar. Em África, o aumento da produtividade agrícola, para satisfazer a crescente procura de alimentos, requer uma série de intervenções, entre as quais a intensificação da produção agrícola. Nos últimos anos, o foco mudou para uma intensificação amiga do ambiente, de que é exemplo a agricultura tendo em conta as alterações climáticas e a intensificação sustentável.
proia_picA intensificação sustentável (IS) refere-se a um amplo espectro de sistemas agrícolas, que resultam num aumento do rendimento sem efeitos ambientais negativos e/ou sem o aumento de terra dedicada à agricultura. Esses sistemas incluem sistemas de produção intercalados de milho e leguminosas, que são o foco do caso de estudo aqui apresentado. O objectivo geral do estudo é identificar os principais factores condutores e pontos de entrada para a IS e o potencial de inovação ao longo de ambientes agrícolas contrastantes e várias tipologias de explorações agrícolas. O actual estudo concentra-se na Tanzânia e Moçambique, e faz parte de um projecto, financiado pelo Centro Australiano para a Investigação Agrícola Internacional (ACIAR, do inglês): Intensificação Sustentável dos Sistemas de Cultivo Leguminosas e Milho na África Oriental e Austral (SIMLESA, do inglês).

Os sistemas de milho-leguminosas são comuns em ambos os países e constituem os sistemas mais importantes em termos de número de explorações e parcela de terra dedicada. Em Moçambique, por exemplo, é utilizada uma vasta gama de leguminosas, onde se destacam, o amendoim, o feijão-frade e o feijão comum, principalmente devido ao seu potencial de comercialização. O feijão-boer ganhou alguma atenção nos últimos anos no centro e no norte de Moçambique. Em contraste, na Tanzânia, um mercado bem estabelecido de feijão-boer fez desta leguminosa uma referência em várias agroecologias, onde actualmente é cultivada e amplamente estudada.

O estudo utilizou uma metodologia mista que incluiu, principalmente, uma revisão da literatura, juntamente com um workshop de consulta com os principais actores da IS, realizado em Maputo.

2016-04-26-09-54-33O workshop de consulta reuniu representantes de agricultores, investigadores, universidades e autoridades agrícolas locais e revelou que existe um entendimento comum sobre a necessidade de intensificação agrícola. No entanto, isso nem sempre se traduz em intensificação sustentável. Há uma necessidade de desconstruir o que significa sustentabilidade e estudar como o conceito poderá ser adaptado para se adequar a cada tipologia de acordo com as percepções dos diferentes actores, incluindo diferentes tipologias de agricultores. Foi acordado que a viabilidade da IS deve ter em conta a diversidade agro-ecológica e a dos sistemas agrícolas em todas as tipologias. A inovação inclusiva e a melhoria da capacidade humana e financeira nas organizações relevantes foram consideradas fundamentais para o sucesso da IS. Estes dados podem ajudar a definir uma agenda de pesquisa adequada e pontos-chave de entrada para a IS, nos sistemas de cultivo mais comuns em ambos os países, ou seja sistemas de leguminosas-milho, sistemas mistos de milho-pecuária e sistemas agro-florestais.A revisão da literatura mostra que existem várias características sócio-econômicas que afectam a adopção de práticas agrícolas sustentáveis em ambos os países. Estas incluíram características do agregado familiar, tais como nível de educação, género, relações com outros agricultores, tipo de sistemas de posse da terra, rendimento familiar e tamanho da terra.

Em suma, este estudo recomenda o uso de tipologias agrícolas simples e flexíveis, mutuamente exclusivas, que reflictam as diferentes circunstâncias biofísicas e sócio-econômicas dos agricultores, para co-projetar a implementação da IS e os perfis de adopção que servirão de base para adaptar a IS às necessidades de cada grupo. Além disso, a tipologia de intervenções agrícolas adaptadas pode agregar valor à concepção actual de sistemas agrícolas, fornecendo aos agricultores as ferramentas de que necessitam para melhorar os seus sistemas. Por último, a construção de melhores sinergias entre os agentes locais é também considerada fundamental na harmonização dos conceitos de IS e das estratégias de intervenção.

Para aceder ao artigo completo em Inglês: wp2_lcs5_final-report

Para aceder ao sumário executivo em Português do artigo: wp2_lcs5_pt_sumario_executivo

 

Levantamento de competências na parceria de inovação “Cooperativa Sementes do Planalto”

No âmbito do projecto CDAIS, decorre desde o dia 14 até ao dia 16 de Novembro de 2016, no Município do Bailundo, Província do Huambo, o levantamento de competências para a inovação dos sistemas agrários, na parceria de inovação “Cooperativa Sementes do Planalto”.

Desde o primeiro dia, contou-se com a presença de 11 actores das seguintes instituições: ONG Codespa, IIA, SENSE, comunicação social (rádio Bailundo-apenas no 1º dia), cooperativas de agricultores, associações de agricultores, comprador de sementes, chefe de repartição municipal da agricultura do Bailundo.

O referido encontro decorre na sala de reuniões da Administração Municipal do Bailundo, facilitado pelo sr. Agnelo Miguel, coadjuvado pela Sra. Luisa Dovala e supervisionado pela Sra. Imaculada da Conceição. Dos actores presentes, 33% representa o género feminino.

Os participantes apresentam-se motivados e interessados a trabalhar em parceria, devido ao objectivo comum da “cadeia de valor das sementes” e tendo em conta a dificuldade em acesso às mesmas, no mercado Angolano, tanto em qualidade como em quantidade.

 

 

O CDAIS pretende contribuir para a segurança alimentar, nutrição e agricultura sustentável, actuando a três níveis: (1) global, promovendo um mecanismo global de partilha, coordenação e avaliação de competências para o desenvolvimento, (2) nacional, estimulando a coordenação de políticas e planos nacionais para apoiar os sistemas de inovação agrária, e (3) local, apoiando parcerias de inovação, seleccionadas de acordo com critérios gerais e específicos e validados por actores chave dos sistemas agrários nacionais.

Este projecto é uma parceria global, financiada pela União Europeia e implementada conjuntamente pela Agrinatura, um consórcio de 31 universidades europeias que funciona como o órgão técnico da União Europeia na área da agricultura para o desenvolvimento, a FAO, Organização para Agricultura e Alimentação, das Nações Unidas e o Instituto de Investigação Agronómica, em representação do Ministério da Agricultura de Angola.

 

Agnelo Miguel-Facilitador Nacional do CDAIS em Angola – Parceria “Cooperativa Sementes do Planalto” sementes.

Reforço das Associações de Produtores de mandioca, amendoim e hortícolas no Bungo, Uíge – LCN CDAIS-Angola

Entre os dias 26 e 28 de Outubro 2016, realizou-se no Bungo, província do Uíge, Angola, o levantamento de competências necessárias na parceria de inovação “Reforço das associações de produtores de mandioca, amendoim e hortícolas”, no âmbito do projecto CDAIS – Desenvolvimento de Competências para a Inovação dos Sistemas Agrários.

A parceria de inovação seleccionada relaciona-se com a implementação de um projecto-piloto, que teve início em 2013, sobre desenvolvimento integrado e sustentável, e inclui nas suas componentes o apoio ao empreendedorismo rural, agricultura familiar e a criação de um sistema local participativo de crédito no município do Bungo. Este município é caracterizado por uma forte componente agrícola de produção, cuja principal actividade é a venda em pequena escala de produtos agrícolas nos mercados e produtos alimentares industriais importados nas cantinas. Já foram identificadas as principais dificuldades de produtores e vendedores do município como sendo a falta de capital para investir no negócio, de acesso a crédito e de uma rede comercial de armazéns e lojas que permita comprar e escoar produtos a grosso. É também de salientar a falta de indústrias de transformação e necessidade de capacitar os vendedores em técnicas comerciais e transmissão de informação aos vendedores e compradores sobre oportunidades de negócio.

O principal foco do projecto CDAIS, foi a componente da agricultura familiar e reforço das associações de produtores. Nesta actividade participaram actores provenientes de diferentes sectores do sistema agrário, relativos à componente em causa, nomeadamente, produtores, unidade de transformação, venda, extensão rural, representantes da associação de produtores de amendoim, mandioca e hortícolas e direcção do projecto.

img_1477Os vários resultados estão em processo de análise tendo em vista a elaboração de um relatório.

Na parceria de inovação “Reforço das associações de produtores de mandioca, amendoim e hortícolas”, a actividade foi desenvolvida pelo Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, Portugal, que apoiou um facilitador nacional de inovação, pertencente à instituição Fundação Africana para a Inovação. A actividade contou ainda com a colaboração da JMJ Angola consultadoria e da Administração Municipal do Bungo.

O levantamento das competências necessárias à inovação dos sistemas agrários é um dos pontos chave do projecto CDAIS e está a ser realizado em 8 países piloto, sendo esta actividade coordenada pela Agrinatura, através do seu Ponto Focal para o país.

 Curso dos Facilitadores Nacionais de Inovação em Angola – CDAIS

Entre os dias 3 e 6 de Outubro. realiza-se no Campus da Chianga, Huambo, o curso de Facilitadores Nacionais de Inovação, no âmbito do projecto CDAIS – Desenvolvimento de Competências para a Inovação dos Sistemas Agrários.

Neste curso participam 11 formandos pertencentes às seguintes instituições: Instituto de Investigação Agrária, Faculdade de Ciências Agrárias da Universidade José Eduardo dos Santos, Projecto Terra do Futuro, Instituto Nacional do Café de Angola, Fundação para a Inovação Agrícola (AIF) e da Administração Municipal do Bailundo.

A formação é coordenada pela Agrinatura, através do seu Ponto Focal para o CDAIS em Angola, que pertence ao Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, Portugal, e conta com a colaboração da Coordenadora Global do Projecto, do Centro Internacional para a Investigação Agrícola (ICRA), Holanda, e ainda com a Gestora Nacional do CDAIS, da FAO.

O projecto CDAIS é uma parceria global, financiada pela União Europeia e implementada conjuntamente pela Agrinatura, um consórcio de 31 Universidades europeias que funciona como o órgão técnico da União Europeia na área da agricultura para o desenvolvimento, e a FAO, Organização para Agricultura e Alimentação, das Nações Unidas. O projecto CDAIS pretende contribuir para a segurança alimentar, nutrição e agricultura sustentável e actua a três níveis: – a nível global, promovendo um mecanismo global de partilha, coordenação e avaliação de competências para o desenvolvimento, – a nível nacional, estimulando a coordenação de políticas e planos nacionais para apoiar os sistemas de inovação agrária, e – a nível local, apoiando parcerias de inovação, seleccionadas de acordo com critérios gerais e específicos, validados por actores chave dos sistemas agrários nacionais.

O Curso de Facilitadores Nacionais é um dos pontos chave do projecto CDAIS, e visa preparar os facilitadores para a realização do Levantamento de Competências Necessárias, nas parcerias de inovação seleccionadas, e será o próximo passo do CDAIS. Este levantamento de competências precede a formulação de um Plano de Acção cujo objectivo é melhorar a eficiência das acções de desenvolvimento de competências, através de ciclos iterativos de aprendizagem, no âmbito das parcerias de inovação.