Centro de Biotecnologia da Universidade Eduardo Mondlane orienta teses do Mestrado em Biotecnologia em parceria com instituições Portuguesas

A participação de Portugal em acções de formação avançada em Agrobiotecnologia, em Moçambique, tem vindo a ser consolidada no âmbito da Cooperação Portuguesa, através de fundos do Camões e quota Portuguesa para o CGIAR, alocada ao IRRI.

IMGP1207

Neste ano de 2015, decorrem três dissertações de Mestrado em co-orientação:

Milton Pinho – Estudo da diversidade genética de acessos de batata-doce (Ipomoea batatas (L) Lam) do banco de germoplasma de Moçambique, usando marcadores SSR (Orientação: Ana Ribeiro, IICT; Manuela Veloso, INIAV; Ivete Maquia e Ivone Muocha, CB-UEM);

Jossias Duvane – Caracterização do metaboloma de duas leguminosas lenhosas, Brachystegia bohemii e Colophospermum mopane, sujeitas a diferentes regimes de fogo (Orientação: Carla António, ITQB/UNL, Ana Ribeiro, IICT; Ivete Maquia, CB-UEM);

Jaqueline Figueiredo – Caracterização genética do parvovírus canino e avaliação do estado de protecção da população canina de Maputo (Orientação: Gertrudes Thompson, ICBAS/UP; José Fafetine, CB-UEM).

Este tipo de parcerias reveste-se da maior importância para as instituições envolvidas, nomeadamente pela oportunidade de mobilidade de docentes, investigadores e estudantes, maior abrangência das temáticas de investigação, alargamento do leque de fontes de financiamento e internacionalização das equipes envolvidas (através de publicações e comunicações). Os resultados da investigação resultante das dissertações terão aplicação na resolução de questões agrícolas, ambientais ou de saúde pública, colocando os dois países ao mais alto nível das cooperações internacionais para o desenvolvimento e espelhando o valor que o conhecimento gerado pode prestar à formação e capacitação institucional e à promoção da excelência científica no espaço da CPLP.

IMG_3606

Anúncios

IICT participa na “Semana de Ciências da vida em prol de Desenvolvimento Sustentável” em Maputo

O Departamento de Ciências Biológicas da Faculdade de Ciências da Universidade Eduardo Mondlane organizou, em parceria com o Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), a Semana das Ciências da Vida em Prol do Desenvolvimento Sustentável. O evento contou com o patrocínio da Cooperação Portuguesa através de fundos do Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, e do Instituto Nacional de Investigação do Arroz (IRRI).

Cartaz do evento.
Cartaz do evento.

As atividades decorreram entre os dias 18 e 22 de Maio, no Jardim Botânico Universitário, e incluíram no seu Programa:

  • O Dia Internacional do Fascínio das Plantas (18.05.2015)
  • O Dia da Biodiversidade (22.05.2015)
  • Lançamento do Programa de Ciências e Progresso (18 a 22.05.2015)

A celebração destas datas tem como principal propósito fazer com que um maior número possível de pessoas em todo o mundo desperte para o fascínio das plantas e para a importância do seu estudo na melhoria da agricultura e produção sustentável de alimentos e de bens não alimentares, como o papel, madeira, medicamentos, entre outros, assim como sobre a importância das plantas na conservação do meio ambiente.

Sessão de abertura do evento em Maputo.
Sessão de abertura do evento em Maputo.
Atelier no evento: “O fascínio das sementes”.
Atelier no evento: “O fascínio das sementes”.

A equipa do IICT, composta pelas investigadoras Ana Fortunato, Ana Ribeiro-Barros, Inês Graça, Isabel Moura e Paula Batista Santos, colaborou nesta iniciativa através de:

– Formação de um técnico e um investigador moçambicanos, em Portugal (Abril de 2015);

– Co-organização das atividades a desenvolver no Programa de Ciências e Progresso;

– Preparação, inauguração e realização de ateliers científicos.

Plantação de árvores no jardim botânico de UEM.
Plantação de árvores no jardim botânico de UEM.

X ANIVERSÁRIO DO CENTRO DE BIOTECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

No dia 11 de Maio, o Centro de Biotecnologia da Universidade Eduardo Mondlane (CB-UEM), celebrou o seu 10º aniversário com a inauguração de novas instalações. A cerimónia contou com a presença da Vice-Ministra da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional, Leda Hugo e do Magnífico Reitor da UEM, Orlando Quilambo, e seus vice-reitores, bem como membros do corpo diplomático acreditado em Moçambique, docentes, investigadores e estudantes da UEM e de outras instituições de Ensino Superior e Investigação. Portugal fez-se representar pelo seu Embaixador, José Augusto Duarte, e pelo Conselheiro para a Cooperação, Miguel Girão de Sousa. O Instituto de Investigação Científica e Tropical (IICT), um dos parceiros mais antigos do CB-UEM, marcou igualmente presença no evento, onde foi homenageado com um Certificado de Reconhecimento.

Cerimónia de abertura – Intervenção do Sr Embaixador da República Portuguesa
Cerimónia de abertura – Intervenção do Sr Embaixador da República Portuguesa

 

Na ocasião, o Embaixador de Portugal, sublinhou a importância da biotecnologia no contexto do desenvolvimento sócio-económico de Moçambique, bem como das colaborações entre os dois países na promoção da excelência científica e tecnológica através da partilha do conhecimento, internacionalização e mobilidade de estudantes, docentes e investigadores, realçando o papel do IICT neste contexto.

Ana Ribeiro e o Magnífico Reitor a cortar o bolo.
Ana Ribeiro e o Magnífico Reitor a cortar o bolo.

 

De referir que a parceria entre o ICCT e o CB-UEM envolve colaborações científicas, intercâmbio e mobilidade de cientistas (formadores e em formação) e é pelo reconhecimento da enorme valia do trabalho realizado, que tem contado desde 2011, com o financiamento da Cooperação Portuguesa. Este apoio concretiza-se directamente no mestrado em biotecnologia do CB-UEM (1ª, 2ª e 3ª edições). Através desta colaboração tem sido possível a participação regular de professores e investigadores portugueses em actividades de docência no CB-UEM, bem como a realização de estágios de estudantes deste mestrado em instituições de ensino e investigação em Portugal.

Homenagem da UEM ao IICT (Ana Ribeiro), entregue pelo Magnífico Reitor da UEM (Prof. Dr. Orlando Quilambo)
Homenagem da UEM ao IICT (Ana Ribeiro), entregue pelo Magnífico Reitor da UEM (Prof. Dr. Orlando Quilambo)

A rede SKAN-CPLP no “Científica Mente”, da RDP África

IIAM e INIDA e UNESP em Lisboa para participar no Workshop SKAN 2015: “Promover a colaboração internacional no sector agroalimentar”

No passado dia 26 de maio, teve lugar o Workshop SKAN 2015.  Representantes de instituições do Ensino Superior e Ciência e Tecnologia, do Sector Privado e da Sociedade Civil juntaram-se para partilhar conhecimento e experiências no sector agroalimentar, e consolidar e encontrar oportunidades de novos projectos e parcerias no Espaço CPLP. Para além de várias comunicações e mesas redondas, nomeadamente com a presença do Camões-Instituto da Cooperação e da Língua, o Escritório da FAO em Lisboa e o Secretariado Executivo da CPLP, bem como de representantes das Embaixadas de Angola, Brasil e Moçambique, houve intervenções de responsáveis do Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento Agrário, Cabo Verde, do Instituto de Investigação Agrária de Moçambique e da Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita e Filho”.

No final do evento, estes últimos, juntamente com o IICT e a INOVISA, foram entrevistados pela jornalista Ana Paula Gomes, da RDP África, para o programa “Científica Mente”. Descarregue e oiça aqui

https://www.dropbox.com/s/nawnvqn99y4dyly/cdn-ondemand.rtp.pt%3A.webloc?oref=e.

Primeiro número do “Investigação Agrária para o Desenvolvimento com a África de Língua Portuguesa”

Foi lançado, ontem, em Maputo, diante do Embaixador de Portugal em Moçambique e durante o Workshop SKAN “Parcerias entre Moçambique e Portugal nos sectores agrícola, alimentar e florestal”, co-organizado pelo IIAM, UEM, IICT, INOVISA e FAO, 1º número do Boletim Informativo do Investigação Agrária para o Desenvolvimento com a África de Língua Portuguesa, editado pelo IICT, e que relata as suas actividades mais recentes de investigação para o desenvolvimento. Tendo como particular enfoque as parcerias com a África de Língua Portuguesa, estas colaborações estendem-se ao Benim, África do Sul, FARA e outras organizações sub-regionais.

Programas, projectos, parcerias, estado da arte… Descarregue, leia, comente, questione, colabore connosco, apoie-nos.

6Jornal_UNL

 

 

Reunião intercalar do Projecto “Introdução da Cultura do Arroz em Cabo Verde”, no IICT, em Lisboa

No âmbito do Projecto “Introdução da Cultura do Arroz em Cabo Verde”, a Presidente do Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento Agrário de Cabo verde, Doutora Ângela Moreno, visitou o IICT de 25 a 29 de maio.

A Presidente da Instituição Cabo Verdiana teve a ocasião de visitar a associação de produtores Aparroz-agrupamento De Produtores De Arroz Do Vale Do Sado Lda, em Alcácer do Sal, onde foi recebida pelo seu Responsável, João Reis Mendes. A visita for orientada pelo técnico Pedro Marques, acompanhada da Investigadora do IICT, Otília Carvalho. O primeiro informou acerca das variedades cultivadas e sua produtividade e guiou a comitiva pelos campos, em diversas fase da cultura, e tomar contacto com as tecnologias de sementeira e as fases de armazenamento que se sucedem à colheita e antecedem a comercialização. Feliciano Mazuze, Director para a Formação do Instituto de Investigação Agrária de Moçambique, também acompanhou esta visita.

IMG_2471

IMG_2475

Realizaram-se, ainda, reuniões do projecto, com Ana Melo (IICT) e Arlindo Lima (ISA), em que se avaliou como muito positiva a experiência formativa na cultura do arroz, nos campos experimentais do IRRI, em Moçambique, do António Fortes (INIDA).

Reviu-se, também, o cronograma do projecto, que prevê a preparação do terreno durante este mês de junho e a sementeira em julho, e foram redefinidos os locais onde se concretizarão os primeiros ensaios. Nesta primeira fase, estes ficarão confinados aos campos experimentais do INIDA, em São Jorge dos Órgãos, São Domingos e Tarrafal.

Orientação partilhada da tese de Mestrado em Biotecnologia de Jossias Duvane reforça a colaboração entre o CB-UEM, o ITQB-UNL e o IICT

O seu trabalho  tem por objectivo a caracterização do metaboloma das leguminosas lenhosas B. bohemii e C. mopane sujeitas a diferentes tipos de solos e regimes de fogo na reserva nacional de Niassa e no parque do Limpopo.

Trata-se de um trabalho relevante para identificação de genótipos adaptados a condições ambientais extremas, identificação de biocompostos de utilidade agrícola, nutricional, cosmética, farmacêutica ou médica, bem como na identificação de marcadores de certificação do material vegetal.

A orientação é partilhada entre entre docentes moçambicanos do Centro de Biotecnologia da UEM e portugueses do ITQB-UNL e IICT. Esta co-orientação Norte-Sul constitui uma oportunidade de intercambio cientifico-cultural entre investigadores moçambicanos e portugueses, e oferece as melhores condições de pesquisa ao estudante, que ainda beneficia da exposição a um ambiente internacional, tão importante para o sucesso da investigação científica.

1º Workshop Nacional de Fruteiras Nativas – inscrições abertas

Estão abertas as inscrições para participar no 1º Workshop Nacional de Fruteiras Nativas, a realizar a 9 e 10 de Setembro na Matola, Moçambique.

A inscrição é obrigatória e gratuita. As inscrições são pessoais e devem ser feitas unicamente de acordo com a informação disponibilizada no site do evento (https://wnfruteirasnativas2015.wordpress.com/) no separador “Inscrições”.

Data limite para inscrições: 15 de Agosto de 2015

Esperamos vê-lo em Setembro, na Matola!

Logo-WorkshopNativas

Encontro de lançamento do PROIntensAfrica de 21 a 23 de abril, no Gana

prointensafrica_flyer_portuguese

 

A reunião de lançamento do PROIntensAfrica foi acolhida pela FARA, em Acra, Gana de 21 a 23 de abril de 2015.

O IICT esteve representado neste encontro pela Doutora Ana Portugal Melo, que coordenadora do projecto em Portugal. Foi uma reunião muito participada e onde todos os parceiros reforçaram o seu empenho no PROIntensAfrica, tendo contribuído activamente nas suas diferentes actividades.

Depois deste primeiro grande encontro, os trabalhos do projecto decorram em grupos de trabalho mais pequenos que se debruçarão sobre aspectos específicos da construção de um vasto programa de investigação sobre a intensificação sustentável da agricultura na África sub-sahariana.

Foto dos delegados das instituições participantes no PROIntensAfrica

António Fortes, investigador do INIDA – Cabo Verde, recebeu formação na cultura do arroz

No âmbito do projeto introdução da cultura do arroz em Cabo Verde, uma iniciativa desenvolvida no quadro duma parceria entre o INIDA (Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento Agrário), o IRRI (International Rice Research Institute) e o IICT (Instituto de Investigação Cientifica Tropical), o técnico do INIDA, António Fortes realizou à Moçambique uma missão de formação sobre a cultura em referência, de 14 a 30 de Março. Não se tratou de uma formação académica clássica, mas de secções predominantemente prática e de terreno. A missão teve a duração de duas semanas e foi realizada em duas estações experimentais do IIAM (Instituto de Investigação Agraria de Moçambique), situadas nas localidades de Umbeluze e Chokuwe, e teve a supervisão do Engº Carlos Zandamela, especialista do arroz e acompanhamento técnico do Engº Arlindo, e da Engª Natali, ambos pesquisadores do IRRI e do IIAM respetivamente. Por ser e uma cultura desconhecida em Cabo Verde e por se tratar de um primeiro contacto do formando, com a cultura, este recebeu informações básicas sobre todo o processo de produção e de pesquisa/seleção varietal, focada no rendimento, nomeadamente: preparação de terreno, sementeira direta, contagem, colheita, debulha, pesagem, medição da humidade, conserva e armazenamento. Durante a estadia, o formando, alem das atividades estritamente de terreno teve momentos dedicados a pesquisa bibliográfica e identificação de documentos relevantes sobre a cultura do arroz que pudessem servir de suporte para a implementação do projeto, alem de contactos com os mais diversos atores da cadeia de produção do arroz em Moçambique, nomeadamente pequenos e grandes agricultores, empresários, industriais e outros. Foi uma experiencia gratificante, pois possibilitou ao formando a possibilidade de ter um contacto direto com a cultura do arroz, e com técnicos dotados de um vasto conhecimento e experiencia, sobre a cultura, e com diferentes atores envolvidos nesta cadeia produtiva.