Conclusão do Programa Frutos Nativos 4 SAN

Foto-composicao-conclusao_FrutosNativos4SANO Programa Frutos Nativos 4 SAN uma parceria entre o ex-IICT, o IRRI, o IIAM, a UEM, a VIDA e a Frutisul, concluiu-se com a realização em Moçambique do 1ºWorkshop Nacional de Fruteiras Nativas e apresentação da Avaliação do estado actual do conhecimento sobre fruteiras nativas em Moçambique estadoconhecimentofruteirasnativas.

Tratou-se de uma parceria muito frutuosa, cujos resultados das diferentes actividades sublinharam a actual importância e o potencial nutritivo, e económico dos frutos nativos, recomendando a criação de um programa nacional sobre a temática.

Para além do interesse do Ministério da Agricultura, a Plataforma para a Investigação Agrária e Inovação Tecnológica em Moçambique (PIAT) manifestou o desejo de se associar, nomeadamente, através da divulgação dos resultados do estudo de caracterização do sector, em Moçambique, realizado no âmbito deste projecto e de integrar um Grupo de Trabalho em Fruteiras Nativas na sua rede de partilha de conhecimento

A interligação entre os diferentes actores interessados estabelecida no decurso deste programa dá garantias da continuidade da valorização deste recursos, através da organização de um novo sector para alavancar o desenvolvimento socio-económico do país.

“Como Transformar uma Ideia na Concretização de um Negócio”, Atelier de Trabalho no âmbito do 1º Workshop de Fruteiras Nativas de Moçambique

No segundo dia dos trabalhos e paralelamente à sessão principal, cerca de 30 participantes, empreendedores ou com particular potencial de se tornarem empreendedores, discutiram e simularam como pôr em prática um negócio.

Partindo de uma experiência concreta de sucesso, contada por Pedro Tomo, da Gutsamba (marca registada de produtos derivados do processamento de frutas nativas de Moçambique), e de um exemplo de como a investigação científica está ao serviço da inovação e empreendorismo, já com excelentes resultados em produtos de frutos nativos, partilhada por Maida Khan, da Universidade Eduardo Mondlane, os participantes foram confrontando as suas experiências e expectativas pessoais e discutindo novas ideias e oportunidades.

IMG_0767

Seguiu-se uma sessão de trabalho participativo, orientada pela INOVISA, para ajudar a sistematizar um modelo de negócio, com base nas ideias dos participantes.

IMG_0769

A sessão foi muito animada e participada e , certamente, deixou sementes do que poderão vir a gerar novos negócios com base em produtos de fruteiras nativas para os empreendedores presentes.

Outras notas da cerimónia de abertura e o interesse da imprensa nacional – 1º Workshop de Fruteiras Nativas de Moçambique

A cerimónia oficial de abertura do 1º Workshop de Fruteiras Nativas de Moçambique contou com as intervenções da Vice-Ministra da Agricultura de Moçambique, do representante da FAO no país e do director do IIAM.

workshop_nativas.011

O representante da FAO junto da CPLP esteve ainda presente na sessão de encerramento. Todos reconheceram o enorme potencial e importância das fruteiras nativas em termos de segurança alimentar e nutricional, papel na medicina tradicional, valor cultural nas comunidades, relevância ambiental, e oportunidades de desenvolvimento económico. Tanto o MINAG como a FAO congratularam-se com a realização deste workshop e manifestaram o seu apoio a iniciativas que visem valorizar e explorar as fruteiras nativas de Moçambique e os seus produtos.

workshop_nativas.056

O animado diálogo multisectorial estabelecido durante os 2 dias de workshop dá a garantia que o interesse pelas fruteiras nativas está bem vivo. A enorme vontade de valorizar este recurso, de forma sustentável, para o bem-estar da população foi bem patente, o que assegura a organização de um novo sector para alavancar o desenvolvimento socio-económico.

Este evento teve eco na comunicação social, como demonstração do interesse que produziu no seio da sociedade Moçambicana:

http://www.miramar.co.mz/Noticias/Frutas-nativas-em-debate-no-pais

http://www.fao.org/portugal/noticias/detail/en/c/329232/

http://www.agrotec.pt/noticias/mocambique-organiza-i-workshop-nacional-de-fruteiras-nativas/

http://www.minag.gov.mz/index.php?option=com_content&view=article&id=237:2015-08-04-14-31-42&catid=36:eventos&Itemid=58

http://www.jornalnoticias.co.mz/index.php/ciencia-e-ambiente/42879-pais-reflecte-sobre-frutas-nativas-e-seu-valor-global

http://infodiario.co.mz/articles/detail_article/17082

Saber mais em: https://wnfruteirasnativas2015.wordpress.com/

1º Workshop Nacional de Fruteiras Nativas – inscrições abertas

Estão abertas as inscrições para participar no 1º Workshop Nacional de Fruteiras Nativas, a realizar a 9 e 10 de Setembro na Matola, Moçambique.

A inscrição é obrigatória e gratuita. As inscrições são pessoais e devem ser feitas unicamente de acordo com a informação disponibilizada no site do evento (https://wnfruteirasnativas2015.wordpress.com/) no separador “Inscrições”.

Data limite para inscrições: 15 de Agosto de 2015

Esperamos vê-lo em Setembro, na Matola!

Logo-WorkshopNativas

“Avaliação frutícola e nutricional e potencial de conservação de frutos nativos para valorização e segurança nutricional” avança a bom ritmo

Continua a decorrer o projecto “Avaliação frutícola e nutricional e potencial de conservação de frutos nativos para valorização e segurança nutricional”, co-financiado pelo Fundo Nacional de Investigação de Moçambique (FNI) e pelo Programa FrutosNativos4SAN. A equipa inclui investigadores do Instituto de Investigação Agrária de Moçambique (IIAM), da Faculdade de Engenharias da Universidade Eduardo Mondlane (FE/UEM) e do Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), que trabalham na avaliação laboratorial do valor nutricional e do potencial de conservação refrigerada em 3 espécies de fruteiras nativas (Uapaca kirkiana (massuco), Strychnos spinosa (massala), e Strychnus madagascarienesis (macuacua)) a 12ºC, 5ºC e 0ºC.

O IIAM/CIF (Centro de Investigação Florestal) foi responsável pela selecção de locais e árvores e pela colheita dos frutos. A metodologia de avaliação de qualidade foi optimizada pela FE/UEM e IICT, desde a colheita, passando pela preparação das amostras, até à realização das análises quantitativas de frutos inteiros e respectivas polpas, nomeadamente cor do fruto e da polpa; dimensões do fruto; peso do fruto; volume do fruto; percentagem de casca, polpa e sementes; acidez da polpa; pH da polpa; sólidos solúveis totais (ºBrix) da polpa; teor de humidade e actividade da água da polpa. Esta avaliação foi feita imediatamente à colheita e ao longo do tempo, nos diferentes regimes de temperatura.

A equipa da FE/UEM recebeu durante o mês de Março, dois investigadores do IICT que colaboraram no tratamento destes dados experimentais. Com base neste trabalho conjunto, está agora em curso a estimativa do diferencial de qualidade durante a conservação, para cada espécie e em cada temperatura.

Foi planeada uma acção de capacitação para dois técnicos Moçambicanos, em Portugal, a realizar no 2º trimestre de 2015, visando transferência de tecnologia em avaliação de qualidade nutricional com recurso a cromatografia líquida e espectrofotometria. Serão quantificados açúcares, vitaminas, minerais, e determinada a capacidade antioxidante nas mesmas amostras avaliadas quanto à sua composição.

nativos-blogueAvaliação físico-qúmica de frutos nativos: A) Determinação da cor da casca de frutos de Massala, B) Preparação de polpas de Maphilua, C) Determinação do volume de frutos de Massuco; D)Aspecto geral de frutos de Maphilua.

Foi ainda efectuada a colheita de Vangueria infausta (maphilua) e efectuada a caracterização físico-química dos frutos pré-conservação.